Glossário das Doenças do Fígado

A

AAD – Antivírico de ação direta. Medicamento que atua no mecanismo de replicação do vírus, impedindo a sua perpetuação.

Anticorpo – Imunoglobulina produzida pelos plasmócitos, formados a partir da diferenciação dos linfócitos B. Estes são produzidos pela medula e estão dispersos pelo sistema linfático: gânglios, baço e medula.

Antitrombina e tempo de protrombina – Fatores de coagulação. Níveis anormais podem ser indicadores de lesão hepática.

Antivírico – Classe de medicamentos utilizados no tratamento de uma doença vírica. Atua por ação direta (antivírico de ação direta) ou indireta.

B

Bílis – Secreção produzida pelas células hepáticas e colangiócitos e armazenada na vesícula biliar. É drenada para o intestino durante a digestão dos alimentos.

C

Canal biliar –  Tubo que transporta a bílis do fígado para a vesícula biliar e de seguida para o intestino delgado.

Cancro – Transformação e proliferação de um grupo de células anormais devido a anomalias genéticas ou por agressão continuada de fator externo causador de inflamação.

Cancro do fígado – Um dos tipos de cancro do sistema digestivo, sendo também um dos tipos de tumores hepatobiliopancreáticos (fígado, pâncreas e vias biliares).

Cancro metastático ou secundário – Disseminação das células tumorais do órgão em que tiveram origem para outros órgãos. Pode acontecer também no cancro do fígado

Carcinoma hepatocelular (hepatoma ou hepatocarcinoma) – Subtipo de cancro do fígado. Cancro com origem em células que formam o fígado (hepatócitos). O carcinoma hepatocelular é o tumor mais frequente do fígado dos adultos.

Carga viral – Concentração do genoma vírico (DNA ou RNA) no sangue de um indivíduo.

Cirrose – Transformação do fígado num órgão de superfície rugosa e consistência aumentada e duro, devido à alteração da sua estrutura com formação de nódulos e tecido cicatricial (fibrose). A presença de cirrose conduz a riscos elevados de desenvolver

complicações como hemorragia digestiva, cancro de fígado, acumulação de líquidos na zona abdominal, entre outros.

Coinfecção – Infeção simultânea por dois vírus diferentes. São relativamente comuns as coinfecções VHB/VHD, VHB/VHC, VHB/VIH, VHC/VIH, VHB/VHC/VIH.

Colestase – A bílis produzida não é drenada e acomula-se no fígado em vez de seguir o seu fluxo natural para a vesícula biliar e intestino.

Contágio – Passagem de um agente microbiano (vírus, bactéria ou parasita) para outro ser vivo.

Cura – Resolução de um processo patológico, agudo ou crónico.

D

Diagnóstico – Série de procedimentos clínicos, laboratoriais, imagiológicos e histológicos que levam à identificação de uma doença ou síndrome.

Doenças autoimunes –  Existem mais de 100 tipos de doenças que afetam o sistema imunitário e podem manifestar-se de várias formas. Quando não controladas, podem também afetar o fígado e provocar consequências graves.

E

Esteatose hepática – Fígado gordo.

Extra-hepática – Fora do fígado. Diz-se dos sintomas que, numa infeção ou doença hepática, se manifestam na pele, pulmão, rim ou outros locais .

F

Falência hepática fulminante – Repentina e rápida progressão da doença hepática com falência da função do fígado.

Fibrose hepática – Processo cicatricial do fígado resultando de inflamação crónica e prolongada.

Fígado – Órgão vital, sem o qual não é possível sobreviver. É a maior glândula do corpo humano. Localiza-se do lado direito do abdómen. Desempenha inúmeras funções. Uma das característica do fígado é a sua capacidade de regeneração, que permite a doação “em vida” para transplantes, pois é possível retirar parte do órgão de um doador para implantar no recetor.

Fígado Gordo – Também conhecido como esteatose hepática, significa acumulação de gordura nas células do fígado. Esta acumulação de gordura no fígado resulta predominantemente de erros alimentares e/ou consumo alcoólico que levam à acumulação excessiva de gordura, ao ponto do figado não a conseguir processar.

H

Hepatite – Inflamação do fígado, caracterizada por infiltrados ou exsudados dispersos pelo fígado, constituídos por células inflamatória, nomeadamente linfócitos e/ou neutrófilos. Podem também estar presentes plasmócitos, monócitos e/ou eosinófilos.

Hepatite A – Doença inflamatória aguda do fígado causada pelo vírus da hepatite A.

Hepatite B – Doença inflamatória aguda ou crónica do fígado causada pelo vírus da hepatite B.

Hepatite C – Doença inflamatória aguda ou crónica do fígado causada pelo vírus da hepatite C.

Hepatite colestática – Inflamação do fígado em que, além dos infiltrados inflamatórios, é possível observar depósitos de bilirrubina dispersos pelo fígado.

Hepatite crónica – Persistência de infiltrados inflamatórios no fígado, ou elevação das transaminases séricas, para além de um determinado período: convencionalmente de 3 a 6 meses. No caso de hepatite crónica vírica, implica persistência da infeção.

Hepatite D – Doença inflamatória aguda ou crónica do fígado causada pelo vírus da hepatite delta, na dependência da existência de uma infeção pelo VHB.

Hepatite E – Doença inflamatória aguda do fígado causada pelo vírus da hepatite E. Alguns casos em doentes imunodeprimidos podem evoluir para hepatite crónica

Hepatoblastoma – Tumores maioritariamente pediátricos que têm origem em células embrionárias do fígado.

Hepatomegalia – Aumento patológico do tamanho do fígado.

Hepatoesplenomegalia – Aumento de dimensões simultâneo do fígado e do baço

I

Icterícia – Coloração amarelada da pele e/ou olhos, devido à acumulação de bilirrubina no sangue.

Infeção ativa – Significa presença de vírus. O genoma do vírus é detetável, e eventualmente, quantificável no sangue.

L

Litíase da vesícula – Presença de um ou mais cálculos (vulgarmente conhecidos por pedras) no seu interior.

O

Obesidade – Índice de massa corporal (IMC) igual ou superior a 30 kg/m2.

P

População vulnerável – População que, devido às suas condições de vida e de saúde, está mais exposta a determinadas doenças, apresentando um risco mais elevado de adoecer quando comparada com a população geral.

Prevenção – Conjunto de medidas implementadas para evitar o desenvolvimento de uma doença. As medidas podem ser a nível social, de estilo de vida, alimentação, vacinação, saneamento, medicamentos, sexualidade, entre outros.

R

Rastreio – Teste realizado para detetar precocemente uma doença, pode ser em formato de inquérito, análises clínicas, exames, entre outros.

Reforço de vacina – Dose suplementar de uma vacina.

Reinfeção – Nova infeção com o mesmo agente microbiano, após a cura da primeira infeção.

Risco – Em epidemiologia significa a probabilidade de ocorrência de um resultado desfavorável, dano ou fenómeno indesejado. Pode ser avaliado como risco absoluto (taxa), risco relativo ou risco relativo ao grau de exposição.

S

Sarcomas do fígado – Tumores muito raros que têm origem em células do fígado que não são epiteliais, podem ser vasos, músculo ou tecidos de suporte.

Sequela – Alteração orgânica ou funcional que permanece após a cura.

Sintoma – Queixa subjetiva de uma anormalidade do corpo, percecionada como doença.

T

Terapêutica – Forma de tratamento que usa fármacos.

V

Vacina – Produto biológico que desencadeia uma reação imune a um antigénio ou microrganismo com a formação de um anticorpo neutralizante.

Vesícula Biliar- Pequeno saco que se localiza na face inferior do fígado. É onde fica armazenada a bílis que é produzida no fígado. Após a ingestão de alimentos, a vesícula contrai-se a fim de lançar a bílis para o intestino delgado, através das vias biliares (sistema de canais que drenam a bílis do fígado), para ajudar a digestão das gorduras.

VHA – Vírus da hepatite A, da família dos Picornavírus.

VHB –  Vírus da hepatite B. Vírus ADN, da família dos Hepadnavírus.

VHC –  Vírus da hepatite C. Vírus ARN, da família dos Flavivírus

VHD –  Vírus da hepatite D (delta). Membro único do Delta vírus.

VHE –  Vírus da hepatite E. Vírus ARN da família do Herpes-vírus.

Viremia – Presença de partículas víricas na circulação sanguínea.

Vírus – Agente microbiano extremamente pequeno, constituído por material genético (DNA ou RNA) que, geralmente, está envolvido por uma ou várias proteínas.

APEF - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DO FÍGADO
Rua Abranches Ferrão, nº 10 - 14º
1600-001 Lisboa Tel: 217995536 
Fax: 217995538
geral@apef.com.pt

Horário de funcionamento:
9.00 - 13.00, 14.00 - 18.00

Secretariado

Luis Maco
Diretor-Geral
luis.maco@apef.com.pt
Andreia Neto
andreia.neto@apef.com.pt
Teresa Jorge
teresa.jorge@apef.com.pt
Cândida Rodrigues

Tornar-se sócio

É favor enviar ao Presidente da APEF, até 3 meses da data da Assembleia Geral, a proposta devidamente preenchida, assinada por dois sócios titulares da APEF e acompanhada das notas curriculares (resumo cv), para: Geral@apef.com.pt ou para

APEF - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DO FÍGADO, Rua Abranches Ferrão

Nº10 - 14º 1600-001 Lisboa.

Ficha de Inscrição